sexta-feira, janeiro 13, 2006

(Crítica) Donnie Darko

"I find it kind of funny, I find it kind of sad. The dreams in which I’m dying are the best I’ve ever had"

Depois de ter ficado com uma ideia fabulosa do filme após o primeiro visionamento, fiquei com vontade de o ver uma segunda vez. Talvez não o devesse ter feito, o filme é sem dúvida muito bom mas a imagem de obra prima foi-se.

Deixei de conseguir encarar Donnie Darko como encaro, por exemplo, Mulholland Drive. Aqui, ao contrário do que me aconteceu com a obra de David Lynch, o fio condutor da história tornou-se relativamente perceptível. [Spoiler] Donnie Darko escapa à morte, percebe que por inúmeras razões o mundo seria um lugar melhor se tal não tivesse acontecido, volta atrás no tempo e deixa-se morrer. Em última instância podemos assumir que troca a sua vida pela da namorada. [/Spoiler] Mas assumindo esta interpretação do filme, e embora possa ser algo simplista é aquela que me parece mais razoável após dois visionamentos, saltam à vista algumas peças que não encaixam bem no puzzle. Talvez no futuro descubra que me escapou alguma coisa e desapareçam os problemas do argumento. Seja como for, Donnie Darko é um filme muito interessante, deu a conhecer Jake Gyllenhall e Richard Kelly e tem todo um ambiente que casa na perfeição com a versão de Gary Jules do tema Mad World.

8/10

9 Comments:

Anonymous Peter said...

Consegues fazer uma critica em que praticamente não falas do filme, a não ser pa dizer que percebeste o argumento. Boa!

2:55 da manhã  
Blogger Ricardo said...

Boas.

Por acaso não, tal como disse no texto, não percebi o argumento. Pelo menos não na sua plenitude. Há várias coisas que não entendi e uma delas - aquela que me faz mais confusão - é o que rodeia a personagem do coelho. Se de alguma forma me puderes ajudar - ou partilhando a tua interpretação ou indicando-me a de terceiros que aches plausível - agradeço. Sinceramente.

Cumprimentos.

5:35 da manhã  
Blogger Oliveira said...

Grande filme, nem que seja pelo uso de temas da grande banda Tears for Fears :)

8:18 da manhã  
Blogger luis said...

Acho que começamos aqui a falar de uma coisa interessante com a crítica do Ricardo. Está-me a dar verborreia. Brevemente os resultados desta minha condição clínica vão ser postados ;)

3:14 da tarde  
Anonymous Peter said...

A ideia do filme é precisamente cada pessoa formar a sua ideia da história. Um bom auxilio para a compreensão da história, é a versão Director's Cut, que tem mais algumas cenas, e os extras do DVD que também têm elementos úteis.
Mas do que eu estava a falar, é que tu não falas praticamente do filme em si na tua critica, alguem que não conheça o filme não vai ficar com nenhuma ideia sobre se deve ou não ir ver o filme, e porquê. Isso dessa maneira é uma critica muito egocêntrica.

4:09 da tarde  
Blogger luis said...

discordo de ti peter. uma crítica é a meu ver uma apreciação qualitativa de uma determinada obra. esta apreciação não é isenta nem com propósitos jornalísticos.
o que o ricardo fez, foi contar a sua experiência com o filme. é o que fazem os críticos. ao assumir esta atitude, penso que estamos mais perto de uma opinião válida, do que o tradicional rei na barriga e autoritarismo barato de muitos críticos. prefiro mil vezes uma opinião do que um guia geral de como ver um filme.

3:10 da manhã  
Anonymous Peter said...

Sim luis, isso que tu dizes está correcto. Só falta um pequeno pormenor, que é falar-se realmente DO FILME. Esta critica, tal como grande parte das que aqui estão (exceptuando as tuas), muito pouco tem de critica, e mais de resumo do filme(bem, esta nem isso).
Uma critica deve indicar a quem a lê razões para a levar ou não a ver um filme. Deve analisar os vários elementos do filme, e referir os pontos fortes e fracos. A conclusão que se tira dos argumentos apresentados, essa pode (e deve) variar de acordo com quem a lê. Sim, deve ser uma opinião, mas devidamente fundamentada, o que de facto aqui não acontece.
Eu olhando para esta critica, nem sequer saberia (se não conhecesse o filme) que tipo de filme é, quanto mais pensar se devia ou não ir vê-lo.

4:29 da manhã  
Blogger luis said...

antes de mais, obrigado pelo teu comentário peter. consigo ver o teu ponto de vista, mas não concordo na totalidade com ele. mas penso que isso já tem a ver com questões mais subjectivas do que a análise pura e dura de uma crítica (isto claro do meu lado; não sei mesmo se consigo ficar imparcial nesta situação). no entanto, gosto bem de ver as tuas críticas ao blog. são construtivas e educadas, e gostava bastante que mantivesses este nível de opiniões no tasco. é bastante importante para nós saber como o blog é visto por outras pessoas sem sermos nós.

abraço

2:30 da tarde  
Blogger Nuno said...

Independentemente de concordar ou não com as tuas opiniões, tenho de te dar os parabéns por seres a primeira pessoa, fora dos 4 que compõem este espaço, que parece ter gastado algum tempo a pensar acerca do que aqui é escrito.

Um abraço!

2:53 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home