domingo, fevereiro 05, 2006

(Crítica) Jackie Brown


Jackie Brown
de Quentin Tarantino
"You can't trust Melanie but you can trust Melanie to be Melanie."
Depois de se tornar num realizador de culto e de marcar uma década cinematográfica com o seu Pulp Fiction em 1994, Quentin Tarantino decidiu adoptar (livremente) o policial Rum Punch de Elmore Leonard para este seu novo filme. No entanto, se se poderia pensar que por ser um argumento adaptado deixaríamos de identificar as marcas do realizador norte-americano, tal não acontece.
Num estilo 70's esteticamente sofisticado, acompanhado pela recorrente street language e suportado por uma banda sonora bem escolhida, Tarantino conta-nos a história rebuscada de Jackie Brown. A personagem principal, interpretada por Pam Grier num papel que parece ter sido feito à sua medida, é hospedeira de uma pequena companhia aérea e aproveita as suas viagens para trazer para os Estados Unidos o dinheiro da conta mexicana de Ordell (Samuel L. Jackson), um traficante de armas pouco escrupuloso. Quando Jackie é apanhada pelas autoridades com dinheiro e cocaína na bagagem tudo se complica e está construída a base para um golpe surpreendente. A grande força do filme reside na maneira como é capaz de fazer o espectador perder-se nas suas tentativas de adivinhar as verdadeiras intenções dos principais intervenientes e no modo como, através de uma narrativa não linear, vai revelando o que realmente aconteceu no seu momento-chave. Ao nível da interpretação, e apesar dos nomes de peso como Robert DeNiro ou Michael Keaton, o destaque vai mesmo para a protagonista Pam Grier e para Samuel L. Jackson, qualquer um deles com uma interpretação impressionante.
Tudo isto se passa em 154 minutos de duração, tempo que me parece excessivo. Não querendo impor o tempo tacitamente standardizado de duas horas simplesmente por ser o mais comum - até porque sou o primeiro a aceitar que os filmes sejam longos contando que justifiquem esse tempo "extra", veja-se por exemplo The Return of the King - aqui parece-me que com menos uma meia hora de filme era possível contar a mesma história e manter sensivelmente o mesmo nível de caracterização de personagens. De resto, se há personagens que deslumbram com a sua solidez, outras há a quem um pouco mais de conteúdo não faria mal nenhum.
Não sendo uma obra prima, Jackie Brown é um filme bastante agradável de se seguir e veio confirmar o talento e a criatividade do seu realizador. Aconselha-se a quem nunca o viu mas, quem quiser apenas o melhor de Tarantino, que veja Pulp Fiction ou Kill Bill.
7/10

7 Comments:

Blogger Oliveira said...

É para mim o mais fraco do Tarantino mas não deixa de ser um grande filme.

11:51 da tarde  
Blogger Coutinho77 said...

154 mts bem empregues. A transfiguração do Deniro é brutal. Quanto ao melhor de Tarantino falta ai uma referência a "Cães danados".
Abraço!

12:46 da manhã  
Blogger Ricardo said...

Não referi o Cães Danados porque, mea culpa, ainda não o vi. Mas para mim Pulp Fiction e, especialmente, Kill Bill (o todo, ou o Volume 2 se separmos) estão num nível mt difícil de se atingir!
Quanto ao Deniro, confesso que foi das personagens que menos me cativou...
Abraço!

1:00 da manhã  
Blogger Oliveira said...

Tá mal, já tou a ver que vou ter que te emprestar.

"Are you gonna bark all day, little doggy, or are you gonna bite?" - Mr. Blonde

2:20 da tarde  
Anonymous Paulo Mota said...

Melhor filme do Tarantino foi claramente o Resevoir Dogs(escrevi bem ? bah). O Kill Bill está excelente mas não é melhor que o RD nem que o Pulp Fiction...um bocadinho a cima do Jackie Brown. Mas atenção tamos a falar de um referêncial de excelentes filmes (todos).

11:20 da tarde  
Blogger Nuno said...

Quando o pior filme (como é óbvio, esta é uma classificação muito subjectiva) de um realizador é Jackie Brown, temos a certeza de que estamos perante um génio. Valessem todos os filmes metade do que este vale e o mundo cinematográfico era um lugar muito melhor.

9:56 da manhã  
Blogger H. said...

Já o vi há um tempito e fiquei bastante satisfeita. Tarantino 'está lá' ;)
Mas concordo, a obra-prima do senhor chama-se Kill Bill :)

1:05 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home